Ouvir pode levar a uma vida gloriosa

Filosofia em tempos atribulados

Ouvir pode levar a uma vida gloriosa

Há alguns meses escrevi que ouvir é a habilidade de linguagem mais negligenciada [1]. Houve muitas reações. Não é estranho que a escuta seja tão mal praticada pelas massas nos dias atuais? Todo relacionamento entre as pessoas começa com a escuta [2], [3], [4]. Um encontro só ganha força quando escutamos com o coração aberto. Enquanto escuta, você se coloca por um momento no lugar da outra pessoa, para registrar o que ela tem a dizer. Temos muito a aprender durante esse momento de auto-esquecimento em que nossas ideias iniciais podem mudar. Para mim, geralmente isso torna o ouvir mais rico do que o falar.

Quem fala está repetindo o que já sabe. Nestes tempos de tribulação, isso parece estar ganhando força e, de forma generalizada, as pessoas só querem superar umas às outras. Quem acompanha as “conversas” nas redes sociais pode concluir que todos, cada vez mais, têm o desejo incontrolável de se provar com suas próprias “pesquisas” e parecer melhor do que os outros com suas próprias “verdades” absolutas. Esse fenômeno também pode refletir os valores destruidores da Era de Aquário, neste momento em que tudo o que está oculto vem sendo revelado. Em termos bíblicos:

Porque não há nada oculto que não venha a ser revelado e nada escondido que não venha a ser conhecido e trazido à luz. [5]

Tirar a cobertura, como se diz [6].

Muitas vezes, nas interações sociais, quando escutamos outra pessoa e temos que colocar nossos pré-julgamentos sobre aquela pessoa ou determinado assunto à prova, temos a sensação de fragilidade. Isso é no mínimo curioso, porque é justamente ouvindo que podemos mudar de ideia e expandir nossos conhecimentos e horizontes. É libertador experimentar isso. Recomendo!

Por que os humanos fazem uso limitado de seus talentos de escuta?

A partir do momento em que pude falar, fui ordenado a ouvir.

Isso é o que o cantor britânico Cat Stevens diz na bela canção “Father and Son” [7] , na qual o filho canta para o pai em sua despedida do ambiente parental. Ouvir parece estar associado a obedecer desde a infância, com horas de escuta chata. Mas quase ao mesmo tempo, Stevens canta sobre uma ”outra” escuta, uma segunda escuta:

Eu escuto o vento em minha alma..

Aqui sua escuta parece ter transcendido as esferas da alma.

Isto é o que a palavra bíblica de Lucas indica:

Portanto, considerem atentamente como vocês estão ouvindo. [8]

A palavra “como” é importante aqui. Não se trata apenas de ouvir, mas de como se ouve. Se você ouvir com a mente e a consciência sensorial terrena, natural, isso apenas o ajudará a conhecer melhor este mundo como um filho desta terra. Mas você também dispõe de uma audição para as mensagens internas de seu núcleo verdadeiro e essencial. Você também pode ouvir essas mensagens para compreender ainda mais os conhecimentos que chegam até você do mundo do espírito.

Assim você pode ouvir a palavra do Incognoscível com a consciência terrena ou espiritual. Seria uma pena se a consciência espiritual diminuísse e se tornasse permanentemente escravizada pela mente “normal”. É por isso que cada pessoa é convidada a desenvolver ainda mais essa consciência espiritual em conexão, para ouvi-la e torná-la cada vez mais poderosa, também e especialmente em tempos de tribulação [9].Isso contribui para uma vida gloriosa.

 

Um exemplo poético de escuta

O poeta Pé Hawinkels de Nijmegen possuía uma energia sem precedentes e, em sua intensa vida de trinta e cinco anos, escreveu, editou e traduziu os mais diversos textos. Pessoas íntimas diziam que ele vivia tão grudado na máquina de escrever que muitas vezes datilografava com band-aids nos dedos doloridos.

Além de poesia e prosa, as muitas publicações de Hawinkels também incluem traduções de livros bíblicos (Ezequiel e Eclesiastes) e obras de Friedrich Nietzsche, Theodor Fontane, Herman Hesse, Thomas Mann, entre outros. Ele também escreveu vários artigos sobre jazz, música pop e letras de músicas para Herman Brood (músico, pintor, ator e poeta holandês).

Em seu poema “Toda vez que uma palavra soa”, o poeta consegue transmitir uma mensagem penetrante sobre a escuta:

 


A luz fica atolada, a esperança encalhada,

nos alimentamos de cinzas.

A morte bane, sofrendo queimaduras,

e nada é o que costumava ser.

 

Mas toda vez que há novamente uma palavra

em que um novo futuro brilha;

dê isso a alguém que ouve,

que não mata suas chances por medo,

mas escuta.

A cruz florescerá como uma rosa,

e ninguém se perderá na noite.

E quem escolheu viver com ouvidos abertos,

dá à palavra um novo poder

e escuta.

 

Pé Hawinkels (1942-1977) [10]

 


References:

[1] Dick van Niekerk, Nascido pelo ouvido de Maria

[2] Pierau V., Leiderschap in luisteren [Liderança em ouvir] (Makkum NL 2019, 302 p.)

[3] Tomatis  A., Het bewuste oor [O ouvido consciente] (Katwijk 2006)

[4] Constas, Nicholas, “The ear of the virginal Body”: The poetics of Sound in the School of Proclus, chapter five, in:  Proclus of Constantinople and the Cult of the Virgin in Late Antiquity, (Leiden Boston 2003), 273-313

[5] Lucas 8:17

[6] Henk Hofland,Tegels lichten of Ware verhalen over de autoriteiten in het land van de voldongen feiten [Azulejos ou histórias reais sobre as autoridades na terra do fato consumado], Contact 1972

[7] Cat Stevens, Father and Son, 1970 Cat Stevens Father & Son 1971 – YouTube

[8] Lucas 8:18

[9] Este artigo apareceu no LOGON 2022-3 impresso em holandês como ‘Filosofia em tempos atribulados – Parte 8’

[10] Pé Hawinkels, Drie Gezangen voor de Veertigdagentijd in: Verzamelde Gedichten [Três Hinos para a Quaresma, em: Poemas Coletados], De Stiel, Nijmegen 1988

 

Compartilhe este artigo

Informação sobre o artigo

Data da publicação: janeiro 23, 2023
Autor: Dick van Niekerk (Netherlands)
Foto: Giselaatje on Pixabay CCO

Imagem em destaque: